12/06/2017
Confira a Entrevista Dr. Jos Jacyr Leal, Sobre - Verdade, Realidade e Insanidade

VERDADE, REALIDADE, INSANIDADE

MAIS UMA VEZ, CONVERSAMOS COM O DR. JOSÉ JACYR LEAL JR., QUE NO DIA 10 DE AGOSTO RETORNARÁ AO GRACIOSA PARA PROFERIR A PALESTRA “VERDADE, REALIDADE, INSANIDADE” E LANÇAR MAIS UM LIVRO DO PROGRAMA CRER-SER FRATERNO. O EVENTO SERÁ NA SEDE SOCIAL ÀS 20,00 h.

REVISTA /// Quando lançou o livro ”AMOR, CÉREBROS E ESCOLHAS”, propôs uma reflexão sobre as Relações e Emoções Humanas. Qual o objetivo desse novo trabalho?

JOSÉ JACYR LEAL JR. /// Antes de entrarmos numa relação, precisamos conhecer um pouco mais – ou muito – sobre nós mesmos. Um relacionamento pressupõe no mínimo duas pessoas. O livro anterior trata do Eu, frente a esse outro, contudo, só conseguirei bancar de maneira adequada essa relação, conhecendo mais de mim mesmo. Dores, medos, expectativas..., se reconheço minha História, consigo olhar com mais carinho e tolerância para a história daquele a minha frente, em minha vida. Desse modo, tornou-se obrigatória a realização desse livro.

REVISTA /// E como pretende mostrar isso?

JOSÉ JACYR LEAL JR. /// Percorreremos juntos a história da VERDADE, como a construímos – cada um a própria, diferentes verdades, seria impossível não ser assim. Desde antes de nascer, cada um de nós vive experiências distintas. Sentimos o mundo, percebemos com nossos cérebros e seguimos, dia-após-dia, construindo um padrão mental. Embora existam semelhanças entre nós, carregamos uma estrutura psíquica absolutamente individual. Formamos ideias interpretadas a partir de experiências que permanecem marcadas na memória. Baseados nelas, conduzimos nossos pensamentos, emoções e..., condutas. Existem batalhas diárias, internas e externas, que precisam ser reconhecidas e melhor administradas, digamos..., domadas. REALIDADE é o que vemos no mundo a partir dessas condutas. Muitas vezes, INSANIDADE.

REVISTA /// Isso dá a entender que criamos uma espécie de cilada. Como sair disso?

JOSÉ JACYR LEAL JR. /// As armadilhas serão construídas, se não olharmos para esse tema – nossos pensamentos e emoções. Ignorar o caminho de nossas vidas é cair em buracos a todo momento. A maioria desses buracos, nós mesmos preparamos, por meio de nossas interpretações muitas vezes rígidas. Insanidade é um pai brigar com a filha por que inicia um namoro, impulsionada pelo Imperativo do Amor, força sistêmica e universal. Precisamos de Diálogo, porém, antes, precisamos mais, de conhecimento. Insanidade é existirem irmãos que não se falam – por raiva, medo, insegurança e imaturidade. Insanidade nas brigas de família por herança. Pergunto:

- Qual a herança emocional ali deixada?

Podemos, devemos e precisamos parar de construir nossas próprias ciladas.

REVISTA /// É possível melhorar essas condutas a partir desse conhecimento?

JOSÉ JACYR LEAL JR. /// Acredito que sim. E muito. Precisamos coragem para olhar as causas e agir de modo maduro sobre elas. Sou médico. Quando examino um paciente, toco no corpo dele a fim de localizar uma dor. Palpo segmento por segmento, até o instante em que ele refere:

– “AI! É aí doutor”!

Como encontramos feridas emocionais?

– No exato momento em que a dor do afeto acontece. Estou com raiva? - Do que? - O que gerou a raiva em mim? - Conhecer o que me machucou e trabalhar sobre isso, produz cura. Raiva, tristeza, apatia ou depressão, são efeitos, e não causas. Alguém me xinga. Eu pergunto a você: – “Onde está a dor”? – Em quem me xingou! - Algo em mim tocou a ferida dele, talvez apenas uma baixa autoestima. Por outro lado, sentir-me ofendido com o que o outro me faz, delata que a dor está em mim. Um jogo mortal para a humanidade é não compreender a formação da dor, onde ela está e não agirmos juntos sobre esses processos. Jogo da imaturidade inconsciente. Solução? – Tornarmo-nos conscientes, Maduros.

REVISTA /// Como abordar esse tema tão complexo de maneira que todos possamos entender e experimentar?

JOSÉ JACYR LEAL JR. /// Não se pode simplificar em uma entrevista, nem mesmo num livro ou palestra. A vida é um processo, um caminho. O Programa Crer-Ser Fraterno existe para oferecer direções. Eu também participo desse processo. Não sou dono de verdades, nem professor de Deus. No entanto, olho para o Universo (Dele) e faço perguntas. E, depois, falo, escrevo o que sinto. Exercito medos e expectativas todos os dias, porém, conhecendo as ciladas, posso agir sobre elas. Encerro então, com um exemplo:

- Outro dia eu tinha um compromisso ao qual não poderia faltar. Pedi para minha secretária não marcar o último horário da manhã para que desse tempo de chegar onde eu deveria ir. Assim que encerro o trabalho, levantei de minha mesa carregando diversos papéis que utilizaria na reunião e parti apressado. Ao passar pela sala de espera de meu consultório, uma senhora parada em pé a minha frente, pedindo um atendimento, sem marcar. Imediatamente senti uma raiva subindo à minha cabeça. Teria que perder o compromisso muito importante para mim. Respirei, sorri e disse:

– “Pode entrar”.

Eu não poderia deixar de atender a angústia que vi na face daquela mulher. O que era minha raiva? – Meu inconsciente me protegendo do compromisso que eu não poderia faltar. Olhei firme e direto para minha emoção e disse em pensamento para ela: – “Está tudo certo, tudo se resolve e vou ajudar essa mulher”. Para minha sorte (e surpresa) aquela senhora estava com todos os exames feitos e apenas queria mostra-los e obter minha opinião, já que outro médico foi pessimista quanto ao caso e isso trazia a ela angústia e urgência. A consulta toda durou quinze minutos, (sem pressa). Era hora do almoço, com certeza enfrentaria congestionamentos imensos e ainda não sabia se conseguiria chegar a tempo à reunião. Saí com o carro da garage e na rua fiquei impressionado, porque formou-se um corredor, entre tantos carros, e eu dirigia como se estivesse sozinho naquele caminho. Coincidência, pensei. Ledo engano. Naquele dia, todos os carros saíam da minha frente, e isso se repetiu em cada parte do trajeto. Eu estava extasiado como se observasse o mar se abrindo para eu passar. Atrasei dez minutos – sem correr, sem furar sinal, sem arriscar. Ajudei a paciente, ajudei a mim mesmo..., não perdi a reunião. Arrisquei pensar: Nunca abandone as emoções, mas, aprenda e ensine para elas, quem manda. Com Amor. O mundo agradece um novo modo de ‘se emocionar’.

Revista /// Dá para ensinar isso, numa palestra ou num livro?

JOSÉ JACYR LEAL JR. /// Não. Não dá para ensinar numa palestra, num livro, curso ou em uma entrevista. No entanto, dá para provocar novos conhecimentos. Precisamos aceitar novas práticas, compreender os porquês e como armarmos ciladas para que nós mesmos. Então, o que espero, é que, aprendendo o caminho, possamos realizar exercícios para agir e escapar dessas armadilhas. Não se ensina felicidade, as pessoas é que aprendem a ser felizes..., se quiserem.

JOSÉ JACYR LEAL JR.  Médico, Ginecologista, Obstetra e Ultrassonografista. Pós-Graduação em Psicomotricidade Relacional e Nutrologia. Cursos em Terapia Familiar Sistêmica, Neurolinguística e Emotologia. Especialização em Gestão e Qualidade de Vida. Diretor do Programa Cre-Ser Fraterno / Instituto Jacyr Leal.


<< Voltar





Filiada à: febrasgo